domingo, outubro 18, 2009

PODEROSA - (Peter Lee Dolph)

Preso
Para toda a vida
Por tanto
Por tão pouco

Preso
Numa Eternidade,
Por de ti gostar
Onde só tu
Fazes minha Saudade
Dentro do meu coração
Que Ama e Sofre...
Que pede teu Perdão
E que nunca soube
Uma outra forma
De Sentir e Viver
Uma outra Força
De a Vida abraçar
Uma outra força
De só a ti te poder Amar
Porque só tu
Fazes sonhar
E só tu podes
Fazer voltar
O Sonho à minha Paixão
Quando o Vento
Teu nome sussurra
Quando o Luar meus olhos Marujam
A Verdade vem outra vez
E Eu juro que nunca mais
Outra como Tu haverá.

Author: Peter Lee Dolph

Braga/Portugal-----26/08/2009

Publicado em Jornal: TRIBUNA PACENSE – pagina 12, seccao "Tribuna Poetica", 16 de Outubro de 2009

19 Comments:

At 9 de janeiro de 2012 às 15:02, Anonymous Anónimo said...

O Amor pode magoar, pode ter calor e arder pode ser a Redenção ou a Perdição mas... nada se compara ao Amor!

 
At 9 de janeiro de 2012 às 15:04, Anonymous Anónimo said...

Queria nunca ter amado e nunca ter sentido que te perdi mas... não seria a mesma coisa.

 
At 21 de março de 2013 às 20:37, Anonymous Anónimo said...

VOLTA!

Olhar
Uma vez mais
Esses teus Olhos
Numa Lua
Deslumbrante e Sofrida.

Querer
A tua vóz
Cintilante e Graciosa
Pedindo
Uma vez mais
Esse Perdão
Que nunca te dei.

Horas Sombrias essas
As do meu Remorso
Que Agora revisito
E em que chamo
Uma vez mais
Por Ti.

Chegarei mais perto
Uma vez mais
Para Te abrir
A Porta do meu Amor,
Porque agora é
A Hora de Perdoar,
É a Hora
De voltar a Amar.

Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal------20/03/2013

 
At 8 de fevereiro de 2014 às 16:14, Anonymous Anónimo said...

ESPERANÇA

Senti o teu Olhar
Dorido e Magoado.
Voltei a Desejar
Ouvir e Sentir
O teu Andar
E o teu Sorrir.

Hoje não Brilha o Sol
Mas a Madrugada tem Calor
Pois a ultima Esperança
É a que tem Valor,
A Eterna Lembrança
Do teu Corpo, do teu Ardor.

Sei que virás,
Sei que te quero
E sei que Sempre estarei
A teu lado, Amado
Depois do Amanhecer
Em teu Regaço, Abraçado.

Essa é a Esperança
De nunca te Perder,
De nunca Morrer
Sem a tua Lembrança
Porque o Destino quis
Que por ti me perderia,
Por ti me encontraria,
Numa Madrugada inquieta,
Numa Madrugada
Repleta de Ti.

Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal.....06/02/2014

 
At 8 de fevereiro de 2014 às 16:20, Anonymous Anónimo said...

NO CAMINHO!

Oiço esse Barulho
De uma Chuva Teimosa.
Sinto esse Brilhar
De uma Angustia Duvidosa.

Dobrado sobre mim
Mudando o Destino
Sentindo o Porvir
De te Amar sem Fim.

Quero,
Quero mais,
Do que o Coração
Nesse teu Mundo
Em Turbilhão,
Nessa Paixão Desmesurada,
Nessa Loucura tresmalhada
Onde estar contigo
Não basta,
Não Chega,
Pois muito quero
A quem me salvou
Porque muito quero
Quem sempre me Amou.
Fica...
E eu ficarei tambem.

Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal.....06/02/2014

 
At 8 de fevereiro de 2014 às 16:28, Anonymous Anónimo said...

LOU-LOU

Corre, Corre
Lou-Lou.
Esse Vento vai parar
Para tua Alma Sossegar.

Esses quadros pintados
Com Suor e Sofrimento
No Corpo e na Alma
Sempre foram Gerados
Somente
Para teu contento
Alimentando tua Calma
E meu Sofrimento expurgando,
Em cores ensaguentado.

Corre, Corre
Lou-Lou,
Essa Chama vai brilhar
Essa Loucura vai findar
E no Fim veremos
Um Enfermo Curado
Um Louco terminado
Nesse Sonho que temos
De um Golfinho vermos
Em Glória Brilhando,
A Vida Amando.

Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal.....06/02/2014

 
At 28 de abril de 2014 às 15:30, Anonymous Anónimo said...

VENENOSA

Arrastas
Na Lama e na Cidade
A Memória de mim.

Pintas
De Negro
O Quadro dos nossos Momentos.

Momentos de Paixão
E de Querer Alucinados
Em que Tu e Eu
Eramos
Dois Pássaros voando juntos.

Atiras
Mãos cheias de Veneno
E disparas
Essa tua Mortal Raiva
De Ciumes infundados
No nosso Glorioso e Terno Passado.

Nunca conseguirás destruir
E fazer acreditar
Tudo e todos
Que o que vivemos foi em Vão
Pois se há coisa
Que nunca poderás negar
É a de que um Dia
Eu te pertenci
E um Dia
Eu fui
O teu Grande Amor!

Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal....24/04/2014

 
At 28 de abril de 2014 às 15:36, Anonymous Anónimo said...

SABES BEM...!

Sabes Tu
E sei Eu....

Que essa Dor
Que te Atormenta
E te Magoa
Não é Razão
Para me negares.

Sabes Bem
E eu tambem
Que essas Flores
Que te oferecia
Eram cheias de Espinhos
Mas nunca foram Motivo
Para me rejeitares,
Pois aquilo
Que mais desejava
Em ti foi encontrado
E tu
Embora Sentida,
Embora Magoada
Sabes Bem
E eu tambem
Que o que te dei
Amor Verdadeiro Era,
Meu Amor Desiludido.

Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal....24/04/2014

 
At 28 de abril de 2014 às 15:50, Anonymous Anónimo said...

RECEBE


E Então?...

Só agora Reparas-te?
Só agora acreditas-te?

Sim,
Foi um Longo Caminho
Onde muitas vezes
Me carregas-te ao colo.

Foi uma Longa Jornada
E muitas vezes
Sequei e enxuguei
Essas tuas Doces Lágrimas.

Tambem Recebi,
Tambem Dei
E ambos Crescemos
E ambos Amamos,
Nesse Mar que foi
Nossa Vida,
De Amor e Paixão
Com Tormentas e Tempestades
Mas sempre Glorioso
Pois o Dar e Receber
Por nós foi transformado
E com Dedicação
Partilhado
Porque Nunca
Nos foi permitido
Fugir desse Néctar
Que ambos disfrutamos
E que ousamos
Em chamar de Amor!


Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal....24/04/2014

 
At 28 de abril de 2014 às 15:58, Anonymous Anónimo said...

Luando por aí...!


Essa Lua
Que te faz Vibrar
E que a Mim
Me alimenta
Tem Encanto e Paixão.

Esse Vento,
Trazendo teu Perfume
E levando meu Querer
Tráz tua vóz
Que me sossega e Encanta
Com Enorme Emoção.

Óh Deusa Cintilante
Óh Brisa de Verão
Volta para mim
E diz-me que não,
Que não acabou
Esse teu Doce e Grande Amor.

Virá a Noite
E as Cintilantes Estrelas
Para contarem uma vez mais
Ao Luar e ao Mar
Que abençoado Sou
Por Amado Ser e Amar.
Quero-te....
Desejo-te...
...E um Dia
Voltarás a ser Minha.


Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal.....24/04/2014

 
At 5 de novembro de 2014 às 15:55, Anonymous Anónimo said...

OFERTANDO...para Ti!


Essa tua Dor
Que tanto Te atormenta,
Esse teu Sentimento
Sempre Presente
Em meu Pensamento.

Onde houver uma Lágrima
Haverá uma Razão
Para que nunca Te esqueças...

Mas Nunca
É uma Palavra muito Forte.
Forte demais e talvez Inutil,
Porque há um Remédio
Para Ti e para Mim.

Sei que não esquecerás
Esse Amor que foi Teu
Sei que posso Esperar
Por aquilo que será Meu.

Entretanto ofereço-Te
Aquilo que nos poderá Curar
Aquilo que tanta Dor
Poderá mitigar...
Eu Te ofereço
O Meu Amor!

Author; Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal....27/10/2014

 
At 5 de novembro de 2014 às 16:06, Anonymous Anónimo said...

ESPERADA


Vejo um Sol
Radiante e Primoroso,
Que me cobre e Alimenta,
Neste Inverno Preguiçoso
E que tudo Acalenta.

Vejo um Sorriso
E meu não é
Pois não tenho Espelho
E sinto tua Fé.

Depois de tantas Noites
Mal Sonhadas e Ansiosas
Com um Tormento na Alma
Vejo teu Sorriso
Em Madrugadas Alvas.

Sei,
Sei Sim
Que procurar por Ti
Foi Penoso e Dificil.
Sei que houve Dor
Mas é Verdade que Te encontrei,
E ainda Bem...
pois acredito e Sinto,
Sinto que é Amor.


Author: Peter Lee Dolphein.
Braga/Portugal....27/10/2014.

 
At 3 de abril de 2016 às 19:40, Anonymous Anónimo said...

LEVANTAR


Levantei-me
E Acordei.
A Noite foi Pesada
E o Sono Profundo.

Levantei-me
E Procurei por Ti.
Comecei então a Demanda
Desse Amor
Que Me faz Sofrer
E só a Ti Querer.

Levantei-me
E com Sofrimento,
Procurei e Conquistei
Nessa Luta de Dor
O que Sempre Sonhei...
O teu Doce Amor.

È Hora de Levantar,
É Hora de Erguer,
È Hora de Procurar
E de tambem Sonhar
Pois é Hora de Te Amar.

Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal......24/01/2016
No Facebook: Pedro Peter Lee Dolphein

 
At 1 de maio de 2016 às 15:41, Anonymous Anónimo said...

UM SONHO


Foi o Sonho mais Belo que algum dia tivera.

Sonhei que estava no meio de uma Seara tocando Flauta,
No meio da Seara havia um Lago.

Toquei a minha Flauta e sem querer
Saiu um som tão Belo e Suave
Que encantou os Pássaros que por lá passavam.

As Borboletas voavam, voavam em direcção a Mim
Caminhei pela Seara e de repente tinha ficado Nevoeiro: senti as Gotas de Orvalho na minha pele.

A Neblina começou a desaparecer e mais além
Mesmo no meio do Lago, encontrei a mais Linda Carruagem de Sonhos.

Podia dizer que foi Bonito mas, foi Mais do que isso: Foi o Meu Sonho.

O Mundo é um Jardim, com Cravos, Espinhos e Rosas.
Há duas Estradas: a Estrada estreita e penosa
E a Estrada Larga.
Cada uma tem o seu Destino, uma na Verdade, a outra Não.
Quem Anda na Estrada da Verdade nota
Que o Mundo é feito de Pequenos Gestos, Gestos Solidários e Humanos.

Por favor Senhor, Concedei-nos a Graça Divina
Nós que somos Pó, Cinza ou Nada
Nada temos, nada Somos,
Por favor Senhor, Concedei-nos a Divina Graça.

Ter Tudo e não ter nada
Não ter nada é ter Tudo.
Eu era sozinho e não tinha Nada
Até que fiz a Maior Descoberta
Que o Homem podia Alcançar:
O Pai Celestial.

Posso viver na Miséria,
Pode faltar-nos o Pão
Mas: tenho Pai, alcancei,
O sonho Sonho do Homem.

São Francisco de Assis, meu Amado Pai
Se pudesse ver em Sonhos ou numa Aparição,
Diante de Ti dobrava meus Joelhos
E Chorando beijava suas chagas que o Senhor tem nas Mãos
Por favor meu Pai, Interceda por mim ao Senhor.

Temos que Orar uns pelos Outros
E Respeitar-mo-nos mutuamente,
É este o Caminho que
Entre nós a Benignidade de Deus,
É a Cura para muitas Doenças.

Author: Eduardo Duarte
Braga/Portugal.....01/05/2016

Este texto acima transcrito é de autoria e de responsabilidade exclusiva de Eduardo Duarte.

 
At 1 de maio de 2016 às 15:58, Anonymous Anónimo said...

Eduardo


Eduardo, sorri, sorri Sempre
Porque mais Triste do que
Um Sorriso é a Tristeza
De Não saber Sorrir.

Benignidade merecida para nosso Senhor
Jesus Cristo
Nosso Criador, Redentor e Salvador.

Senhor, por favor, estai Atento aos meus Anseios
E Tribulações do meu dia a dia.

Nas minhas Orações peço sempre que haja
Benevolência dos seus Olhos para com os meus.

Senhor, na minha Bonita, Cândida e Imaculada
E Santa Infância, fui Feliz.

Tinha uma Angélica e Bela Pureza do Coração.

Peregrinei as Estradas da minha cidade, Dia e Noite.
Aprofundei a minha magra Solidão, Transcendi o meu Sofrimento
Passei por Fortes Humilhações.

Fiquei Doente no meio do Deserto
Mas, não estou Só.
Sinto sua Presença na minha Carne
No meu Íntimo e tudo ao meu Redor.
Senhor, Bem vindo sejas a esta casa
Todos Nós Precisamos de Ti.

Quem não Chega à Santidade não sabe
O Drama Eu, é o Pecado.

Consideram-me Louco por Amar a Humanidade.
Senhor, volto a Dizer que fiquei Doente.


Author: Eduardo Duarte
Braga/Portugal......01/05/2016

O texto acima Transcrito é da autoria e total responsabilidade de Eduardo Duarte.

 
At 21 de maio de 2017 às 15:57, Anonymous Anónimo said...

DESTINO


O Som das Tuas Lágrimas
Ferem meu Coração
Que Sangra e Dói
Pois teu Ciúme
Faz-me Sofrer.

Esses teus Olhos em Chama
Reclamam tua Paixão
De tua Alma
Atormentada e Sofrida.

Não,
Não consigo mais
Viver sem Ti
Tocando minha Pele
E meus Lábios Acariciando.

Sabes que nenhuma Outra
Teu Lugar ocupará,
Nenhuma outra terá
Este Amor só Teu
Porque sabes Bem
Que esse teu Amor
Apenas serve um Homem,
Desesperado como eu.


Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal....03/05/2017

 
At 21 de maio de 2017 às 16:07, Anonymous Anónimo said...

HORAS


Se um Dia
Te Perguntares
Onde estou Eu,

Se um Dia Desejares
Saber tambem,
O que Aconteceu...

Essa Floresta Encantada
Guarda um Segredo
Para Sempre Meu
Onde Tu foste
Um Amor Eterno
Que na Minha Vida
Então Aconteceu.

Vem,
Vem Tocar meu Coração.
Vem, Vem Sentir a Emoção
E partilhar o Silencio
Desse Amor
Que me Arrebata
Dias e Noites,
Num Fogo
Que é o de Prometeu.

Numa Manhã em que Choro
Esse Amor Impossível
Que me faz Viver
A todos os Dias...
A todas as Horas.
Ainda Te Amo...
Amor Meu.


Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal.....03/05/2017

 
At 1 de junho de 2017 às 14:25, Anonymous Anónimo said...

AMARGURA


Acordei Hoje Sobressaltado,
Despertei Preocupado,
Perguntei-me
Se estarias Bem.

Senti a Falta
Do teu cheiro Perfumado,
Dei conta Angustiado
Que te Queria também.

Oh meu Amor,
Oh Minha Flor,
Sei Agora o que Perdi
Sei Agora que não Tentei.

Dói Imenso esta Saudade,
Este Enorme Tormento
De Saber que estiveste aqui
E de Ti Não Cuidei.

O Maior Tesouro é o Teu Amor
A Maior Tristeza...Tua Ausência
Porque não vi
Porque não quis
Sentir o que sentias
Viver o que vives-te
Nesta coisa confusa
Que é o meu existir
Tão Cego e tão Louco
Que me leva a Desistir
Pois Agora
Já não estás cá
E Assim Não posso Amar,
Assim já Não posso Continuar
Sem para Ti Existir.

Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal.....01/06/2017



 
At 1 de junho de 2017 às 14:55, Anonymous Anónimo said...

CÃES.


Júlio estava sentado num Banco, no Parque da Ponte.
Aquelas tardes de Verão em Braga, convidavam a Relaxar e Júlio apreciava a Natureza calma, os Pássaros e o Lago do Parque da Ponte.
Eis que de repente chega João. Rapaz de sua Geração e idade que completara já os Setenta.

-Ora Viva Amigo Júlio. Mais uma vez cá estamos. Olha, vi ali uma coisa curiosa.
- Não digas, notas de dez euros a nadar no Lago(Gracejou Júlio).
-Não, vi um cãozinho fazendo xixi.
-João, isso não é normal. Achar Piada a isso significa problemas afectivos e de auto estima.
-Não é isso pá, eu vi o cão fazer xixi como já vi muitos mas desta vez fiquei a pensar porque levantam eles a pata para fazê-lo.
-Olha João (encetou Júlio com ar manhoso), os cães fazem isso, de levantar as patas, por duas razões. Se quiseres que tas diga são cinco euros por cada resposta.
-Olha Júlio, eu não tenho dinheiro, este mês as coisas andam difíceis lá em casa, mas podias dizer-me....
-Tá bem(retorquiu Júlio com aquela expressão de gozo).
Olha é assim; Os Cães machos erguem a pata para urinar porque houve há muito tempo um deles que não fez isso e caíu-lhe uma parede em cima. Eles agora levantam a pata para apoiar algo que possa cair.
-Há-Há-Há...., essa tá boa. Nunca pensei nisso.
(Júlio orgulhoso por fazer rir João, continuou).
-A outra Razão é básica e tem a ver com as Leis da Física. Se eles levantarem as duas patas sabes o que acontece???
- Não, mas tu vais dizer-me, não vais??
-Claro. Se eles levantarem as duas patas para "xixizar" batem com a Fruta no chão.
(gargalhadas Gozonas e de Malícia)...No Fim João diz: - Vamos lanchar. Hoje pago eu.
-Vamos comer o quê??(Pergunta Júlio)
-Cachorro Quente com uma Bejéka. Se depois te apetecer ir á casa de banho não levantes as patas.

Foi mais um momento de convívio de Júlio e João no Belo Parque da Ponte em Braga(à custa dos Cachorros)


Author: Peter Lee Dolphein
Braga/Portugal..............01/06/2017

 

Enviar um comentário

<< Home